quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Que carinho delicioso!!!!


Oi Li como eu tinha me programado , neste feriado iria tomar vergonha e ler o seu livro. E cada vez mais tenho a certeza q Deus é perfeito e tudo acontece na hora que ele determina, foi muito especial o que aconteceu, o livro chamou atenção de todos desde os meus pequenos até minha mãe, o Arthur ficou intrigado com o titulo do livro, eu tive q explicar o por que?ele achava q todas as crianças só nasciam em hospitais e daí para querer saber como eram feito os partos e outras coisas engraçadas de explicar. Meu marido foi aluno do seu pai no Pasquale ficou encantado de conhecer um pouco mais sobre seu professor e disse q conhecia a história dele não ter entrado na policia seu pai já havia contado para a turma do futebol q ambos participavam acho q no golaço. Minha mãe foi minha socia na leitura, se identificou muito com a história,ficou emocionada contando q o pai dela tb se chamava José e que minha vó , e os filhos dela ficavam o esperando após trabalho na roça era uma bagunça só para lavar os pés do vô na bacia. Eu com a minha louca ansiedade não via a hora de ver o Dito crescer e saber como foi que ele conheceu a Claride, achei lindo e forte o amor deles é porisso que dura até hj. A casa q seu pai morou qdo veio para SP foi na rua da feira de quinta, a antiga rua 6, Vereda do Paraíso? Lá tinha a casa dos Professores, acho que é pois o Ferroni contou q morou lá, eu não lembro pois sou novinha assim como vc. A minha mãe ainda mora lá ,ela contou que minha irmã mais velha namorou com o Vicente q morava com os professores , meu pai não quis o namoro deles só de raiva ela se casou com um negão mais nordestino . Entendeu pq foi marcante essa leitura, OBRIGADA AMIGA POR ESTE PRESENTE, AMEI, DIGO AMAMOS. BEIJOS E FICA COM DEUS.

Rita Barca