domingo, 10 de maio de 2015

A saga dos sete anos

Oi, pessoal. Tudo bem com vocês? Espero que sim.
Bem, hoje eu vou falar um pouco da minha vida pessoal. Vou contar como foi que eu sobrevivi por ser filha única, apesar de nunca ter me sentido única, já que minha mãe me deu vários irmãos de coração.
Desde pequena, aprendi com meus pais a dividir o meu coração com muitas pessoas. Atitude rara em um mundo tão frio e egoísta, mas que por sorte eu vivenciei isso com muita propriedade.
Quando eu tinha dois anos, eu ganhei minha primeira irmã. Sueli pedia esmola na rua, quando bateu no portão da nossa casa e minha mãe percebeu que o lugar dela era conosco. Era uma garotinha linda, apesar da sujeira em que vivia, os olhos verdes brilhantes e cheia de energia. Geniosa, teimosa e respondona. Hoje, seria considerada rebelde. Eu me lembro que ela, sendo 7 anos mais velha do que eu, cuidava de mim com muito carinho. Nós nunca brigávamos (fato raro para duas irmãs) e eu me orgulho muito disso. Nós assistíamos a novela juntas, brincávamos de boneca e até comida na boca ela me dava (eu era preguiçosa para comer e se ela não fizesse isso, eu teria sumido). Lembro-me das vezes que ela brigava comigo para escovar os dentes e tomar banho. Não sei como ela me aguentou sem nunca perder a paciência (merece um super prêmio, pois eu era um cocô de tão chata).
Seis anos depois, eu ganhei o Paulo Cesar como meu irmão. Filho da minha tia Lú e do tio Zica, ele tinha 1 ano e sua mãe precisava trabalhar. Foi uma festa ter um bebê em casa depois de tanto tempo. Ele era o filho homem que minha mãe tanto sonhou em ter, mas que por algum motivo especial, eu nasci (minha mãe queria tanto um menino que chamava a sua barriga de Alexandre quando estava grávida de mim). Sete anos depois, veio o Thiago, irmão do Paulo. Ele tinha bronquite e a casa da minha tia era muito úmida. A única solução encontrada para acabar com as crises fortes foi trazê-lo para morar conosco. Foi quando as brigas começaram a aparecer entre irmãos. Eu odiava que mexessem nas minhas coisas e adivinhem quem mexia? Pois é, eu descobri a porque os irmãos brigam: walkman quebrado, disco riscado, criança teimosa, ciúme. Foi uma fase bem complicada. Misturou adolescência com falta de privacidade e o caldo entornou.
Sete anos depois, veio o Marquinhos, o último dos três irmãos. Fofinho, dengoso e tímido. Ficava sempre escondidinho na casa, com medo de alguém brigar com ele. Foi o que menos ficou com a gente. Ele sentia muita falta de sua mãe e logo minha mãe percebeu que não era uma boa ideia afastá-lo de sua casa. Com os horários ajustados, ele vinha para estudar e ficava a noite com a gente, até sua mãe vir busca-lo.
Hoje, cada um tomou seu rumo. Cada um tem sua família, sua vida e tenho certeza que somos o que somos, graças a convivência de anos juntos. Agradeço de coração a todos os quatro irmãos que Deus me deu. Não dividimos a mesma barriga, mas com certeza, o coração é nosso e será para sempre.